Meu mundo, minhas ideias, EU!

Posts marcados ‘relacionamentos’

Olhar de um Domingo

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o alguém da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás de nada… é cuidar de vocêpara que as pessoas e coisas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Um ser que realmente ama a vida. Sou verdadeiro, sou amigo de todas as horas. Sou medroso, sou tímido, sou tagarela, sou às vezes de poucas palavras, mas de uma alma gigantesca – capaz de deixar transparecer os meus mais profundos sentimentos. Sou uma pessoa que cuida, que ouve, que ajuda. Tenho poucos e verdadeiros amigos. Gosto de estar com pessoas que me fazem bem, mesmo que seja apenas para estar do lado. Em determinados momentos gosto de pensar na vida, de refletir, de reavaliar minhas atitudes… Quem me conhece sabe que sou do bem, não curto mentiras. Sou um bobo em determinados momentos e um leão quando vejo injustiça com pessoas que gosto. Sou fiel às amizades, esteja a pessoa bem ou mal. Sei que o importante é a alma e a vontade de querer o bem. Me sinto agradecido, pois tenho amigos e família que me compreende e quer me ver feliz. Amo todos eles e estou de coração aberto, mesmo que todos possam estar contra.

Quando me amei de verdade pude compreender que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo,na hora certa. Então pude relaxar. Pude percebe que o sofrimento emocional é o sinal que estou indo contra minha verdade… parei de desejar que minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo que acontece contribui para o meu crescimento. Comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma coisa ou alguém que não que o mesmo que eu quero..

Comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável. Isso quer dizer pessoas, tarefas e qualquer coisa que me pusesse para baixo. Minha razão chamou isso de egoísmo, mas hoje eu sei que é Amor próprio. Deixei de temer meu tempo livre e desisti de confiar tanto e fazer planos.

Hoje, faço o que acho certo no meu próprio ritmo.. e foda-se o resto!!!

Desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar tanto com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece. Quando eu me amei de verdade, parei de pensar o que os outros pensavam de mim..

Anúncios

Loucuras…

Tenho pensado muito nestes meses que passaram. Amizades que apareceram, amizades que desapareceram, conhecidos, cantadas. E a noite, com seus espectáculos privados e públicos. Muita coisa pra assimilar, muita pra digerir, e por enquanto, poucas resoluções.

Me considero old-fashion pra algumas coisas, mesmo achando elas de um certo modo excitantes. Mas não é pra mim. Não por agora. Olha a situação:

Num sábado, estava entediado em casa. Resolvi sair, pra pertinho mesmo. E fui pra boate das redondezas. Até nesse ponto, nada anormal, sempre os mesmos estereotipos, as mesmas figuras que mudam de idade, penteados, roupas, mais continuam com as mesmas ‘afetações’.

O que me chamou a atenção foi um grupo, belos na sua medida, não deuses. Brincalhões, divertidos. Até achei que fossem um bando de heteros se divertindo; alguns com namorada do lado.

E daqui a pouco vejo elas irem embora…

E a coisa mudou…

Beijos entre dois, beijos entre 3, beijos entre 4. Mãos deslizando nos corpos, um clima de tesão guardado [acho que nem recolhido caberia]. Machos sedentos pelas bocas dos amigos, parceiros, colegas.

E um deles chama um de fora, que destoava do grupo; meio afetado, meio pintoso, meio vulgar.

E os beijos aumentaram; entre 2, entre 3, entre 4.

Mais, alguma coisa tinha se quebrado. Eu sentia isso, mesmo sendo um mero observador.

Daqui a pouco acontece uma cena de ciúmes digna de novela da 9. Um cara, amigo do que destoava, me aparece e faz aquele barraco, com direito a ciúmes, tapa na cara, empurra empurra. Os que assistiam achavam que a porrada ia comer solta, eu não; sabia o desfecho.

E não é que aconteceu tal qual imaginei. Os machinhos se retiraram, o destoante foi junto, o amigo perdeu a vez [e quase retirado da boate pelos seguranças]. E todos felizes por poderiam transar entre todos.

Final feliz pra eles!

Quando ia embora, na porta estavam as namoradas, procurando pelo grupo, arrependidas por ter deixado os namorados soltinhos; tinha uma até chorando.

Me deu uma pena por todas, e ao mesmo tempo uma vontade de falar pra procurar na casa de fulano que achariam a festa [eles gritaram aos 4 ventos o nome do sujeito]. Mais…. não quero esse karma pra mim. Cada um na sua.

 

Voltando aos conhecidos e desconhecidos, que bom conhecer pessoas. Cada vez me animo nessa cidade maravilhosa. E o amor? Está por ali, talvez entre pedrinhas e dinossauros ou voando par Londres ou trabalhando num plano de engenharia mirabolante.

Viva o amor, viva!

E um video para terminar

Os antagonismos das palavras

About Relacionamentos!

Não sei de quem é o texto, acho que do Arnaldo Jabor; enfim, é como estou me sentindo, curtam.

Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como
tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:
– ‘Ah, terminei o namoro… ‘
– ‘Nossa, quanto tempo?’
– ‘Cinco anos… Mas não deu certo… Acabou’
– É não deu…?
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se
somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo,
como cobrar cem por cento do outro?
E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.
Tudo nós não temos.
Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico
que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona…
Acho que o beijo é importante… E se o beijo bate… Se joga… Senão
bate… Mais um Martini, por favor… E vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa ta com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a
pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro,
recessão de família?
O legal é alguém que está com você por você.
E vice versa.
Não fique com alguém por dó também.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.

E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu
pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração.
Faz parte. Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo.
E nem sempre as coisas saem como você quer…
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.
Enfim… Quem disse que ser adulto é fácil?